"Tudo está na mise-en-scène", se você se interessa um pouquinho por cinema então já deve ter ouvido essa frase, não? Ok, digamos que você nunca ouviu essa expressão e calma, não precisa ter vergonha. Estamos aqui exatamente para explicar o que ela significa.
 
 
O termo mise-en-scène veio de uma expressão teatral francesa que traduzindo BEM TRADUZIDO ficaria como "colocar no palco". Pensamos no teatro: aquilo tudo que compõe o palco, seja objetos, figurinos, iluminação, atores e etc, tudo isso faz parte da mise-en-scène. No cinema é a mesma coisa mas ao invés de traduzirmos como "colocar no palco" podemos traduzir como "colocar na tela". A mise-en-scène no cinema é tudo aquilo que compõe a tela seja atores, figurinos, objetos, maquiagem, iluminação, cenário e etc.
 
Resumindo jovem padawan, a mise-en-scène é tudo aquilo que aparece no quadro e a forma como ele é montado, cinematograficamente falando.
 
 
 
Muitos críticos, estudantes e até cineastas utilizam muito o termo no seu dia-a-dia e sabemos que no começo o termo é um pouco difícil de se entender mas é só observarmos que ele ajudar a ver um quadro, por exemplo, por inteiro, como um todo e não apenas objetos cinematográficos isolados. Já ouviu a expressão: "o conjunto da obra"? então, é basicamente isso. 
 
BUT, temos que nos ater que a mise-en-scène não é composta apenas por elementos físicos que estejam presentes em tela mas também outros tipos como por exemplo sentimentos. Sentimentos esses que o diretor quis transmitir com aquela cena e despertar no seu público. 
 
Contudo, a mise-en-scène não é um termo de produção. Os diretores não dizem: "Ah! Vamos mudar a mise-en-scène hoje." Desde o processo de confecção dos cenários até a maquiagem feita nos atores, TODOS influenciam a mise-en-scène - sendo o diretor quem ordena mudanças ou aprova o trabalho.
 
 
Salientando a frases inicial dita a primeira vez pelo crítico francês Michel Mourlet em seu manifesto "Sur un art ignoré", "Tudo está na mise-en-scène", nada mais é que nos dizer que o principal do cinema, sua essência, está na forma como o filme nos transporta através daquele universo que a tela nos oferece. A mise-en-scène é o nosso passaporte para o mundo do filme, simples assim.
 
E algumas pessoas costumam se equivocar ao achar que o termo mise-en-scène é uma expressão contemporânea ou até mesmo que a sua utilização é restrita aos dias atuais. Para provar o contrário disso é só observarmos citações sobre o termo nas primeiras décadas de existência do cinema. Observe o que Méliès fala sobre a expressão em 1907:
 
"A misé-en-scène é preparada de antemão assim como os
movimentos de figuração e o posicionamento do pessoal. É um
trabalho absolutamente análogo à preparação de uma peça de teatro;
com a diferença de que o autor deve saber por si mesmo tudo 
combinar no papel, e se, por conseguinte, autor, metteur en scène,
desenhista e frequentemente ator, se ele quiser obter um todo que se
sustente" 
 
Mas vale ressaltar que hoje em dia o termo mise-en-scène é muito mais utilizado e até falado, digamos que caiu na boca do povão. Até por que o termo não está restrito apenas ao mundo cinematográfico e teatral. O termo é utilizado para definir qualquer tipo de situação onde se "constrói" uma cena, definindo o cenário ou outros elementos. Um exemplo fora do convencional e que é o mais utilizado para falar de mise-en-scène fora do cinema é em uma festa de aniversário: o aniversariante ao escolher a decoração e os convidados, está montando a mise en scène de sua festa. 
 
Diretores contemporêneos como Sofia Coppola, Paul Thomas Anderson, Lucrecia Martel e Nuri Bilge Ceylan possuem projetos extremamente interessantes em relação a mise-en-scène. Concentrando-se em detalhes específicos do jogo corporal dos atores e a forma como filmá-lo, eles permitem que o olhar do espectador seja ativo no quadro e percorra seus cantos, enquanto seus ouvidos guiam seus olhos nas ações dos personagens e em detalhes de objetos.
 
Curiosidade: Sabia que a atuação dos atores também entra no conjunto de mise-en-scène?
 
Gostou? Conseguiu entender um pouco sobre a expressão? 
 
Se quiser continuar estudando um pouco mais sobre mise-en-scène, não se preocupe, logo a baixo você pode conferir 2 vídeos (um em inglês) explicando um pouco mais sobre o termo.  Se você gosta de livros, pode conferir no link aqui e comprar o livro "a mise en scene no cinema: do clássico ao cinema de fluxo" de Luiz Carlos Oliveira Jr. É um livro indispensável na prateleira de qualquer cinéfilo. 
 
 
 
 
 
 
"Se há uma noção que parece aproximar a arte cinematográfica de seu antecedente teatral, é certamente a de mise-en-scène" 
Jacques Aumont